Baixe grátis - Podcast Os 5 grandes erros cometidos por confecções de roupas

quarta-feira, 25 de dezembro de 2013

É verão! Veja qual o biquíni ideal para o seu tipo de corpo

Para disfarçar a barriguinha, valorizar o bumbum, turbinar os seios... Confira qual modelo combina mais com você e boa praia!

O verão mal chegou e as praias já estão lotadas. Mas é só o sol ameaçar aparecer que os receios de exibir o corpo em um biquini aparecem junto. Para não ter dúvidas na hora de eleger os looks para as férias, confira qual é o modelo ideal para o seu corpo.
EGO 40º- O biquíni ideal para... (Foto: EGO)
http://ego.globo.com/moda/noticia/2013/12/e-verao-veja-qual-o-biqui...

sexta-feira, 29 de novembro de 2013

Minutos

No artigo anterior, comentamos sobre vários indicadores de produtividade e afirmamos que todos eles influem diretamente no lucro da empresa. Essa afirmação baseia-se no fato de que, tanto o seu faturamento como suas despesas básicas são fixas. A produtividade, quando baixa, gera outras despesas, cuja fonte de pagamento é o lucro. Portanto, se melhorarmos essa produtividade e deixarmos de ter essa despesa extra, nosso lucro irá aumentar.
Se pararmos para rever todos os pontos possíveis de ganhos de produtividade em nossas empresas, veremos que estamos deixando escorrer pelo meio dos dedos uma fonte de recursos que estariam melhorando o ganho ou amenizando o prejuízo.
Vamos nos ater, neste artigo, a produtividade da costura e acabamento, por ser comum a todas as empresas de confecção e por deter a maior fonte de perdas.
Presumimos que já tenha todos os tempos de operação e o controle de produtividade de sua área fabril.
Um parênteses para comentar que, quando obtiver o índice de produtividade, pesquise bastante as razões que levam os operadores a perderem tempo no trabalho. Muitas vezes, ocorrências que não dependem dos operadores são os causadores dessas perdas. Ex.: Lotes de produção iniciados e interrompidos por falta de algum aviamento; partes cortadas com defeito que precisam ser repostas causando retardo e até desmanchar operações já feitas; defeitos do tecido não observados antes de cortar (perde até a chance de solicitar reposição ou desconto ao fornecedor); falta de instruções de medidas, distâncias, locais de aplicação etc.. Lembrem-se: Os exemplos acima são reais e precisam, cada um deles, serem analisados e encontrado uma solução para não mais ocorrerem. Aproveito ainda para comentar sobre outro desperdício de dinheiro. É comum encontrarmos pessoas na costura, cuja única ocupação é realizar a “limpeza de fiapos”, ou “arrematadeira”. Essa atividade nada agrega de valor ao produto, só custo. Pior, inventaram até máquina para sugar e cortar as sobras de linha. Todas as máquinas modernas possuem dispositivo automático para cortar linhas (as vezes desligados pelo mecânico que não sabe regular). Quando existem máquinas sem estes dispositivos, recomendamos que entreguem às costureiras (os), as tesouras de acabamento, também chamadas de tíquete ou snip, para que cortem a linha rente ao final da costura. Esta ação, aumenta em 0,02 minutos ou seja, dois centésimos de minuto, o tempo da operação e elimina a função arrematadeira.
Voltamos ao nosso controle de produtividade. Quando instituímos nas empresas o controle das costureiras, em geral o índice encontrado médio na sala de costura é de 50%. Isto quer dizer que, se conseguisse obter o índice desejado de 100%, a empresa necessitaria exatamente a metade dos funcionários. Por este raciocínio, podemos demonstrar adiante:
01 costureira recebe salário registrado de R$ 800,00, custando com encargos R$ 1.600,00 por mês.
Se a produtividade dela é só 50%, está custando na verdade R$ 3.200,00. (1.600/0,50)
Se colocarmos como meta que nossa produtividade média seja de 85%, um número razoável para se obter (tenho clientes que têm média de 92%, excelente índice) teremos:
Se a produtividade for de 85%, o operador estará custando R$ 1.882,35. (1.600/0,85)
A empresa estará economizando, por operador R$ 1.317,65 entre salário e encargos. Se considerarmos só em salário a economia é de R$ 658,82.
Como obteremos essa melhoria na produtividade? Primeiro fazendo a análise sugerida anteriormente para eliminarmos as perdas que não tem origem na área de fábrica. Depois, treinando melhor os operadores e ainda, instituindo processos produtivos que facilitem a atividade e controle, possibilitando a melhoria na produtividade. Em seguida, motivando os operadores com um premio de produção.

COMO OFERECER E COMO CALCULAR O PRÊMIO.

Vimos no exemplo anterior que se colocarmos como meta 85% de produtividade, iremos economizar R$ 658,82 só em salário. Vamos oferecer então R$ 320,00 para quem chegar nos 85% e ainda estaremos economizando R$ 338,82. Vamos oferecer premio de R$ 20,00 para cada ponto porcentual a partir de 70% (inclusive), para motivá-los a melhorar.
Lembre-se que era de apenas 50% a média de produtividade. Chegando aos 100%, o premio será de R$ 640,00, porém, o ganho em salário que a empresa terá é de R$ 800,00, sobrando ainda R$ 160,00. Isto, sem contar os R$ 800,00 que deixará de pagar em encargos.
Junto com o premio oferecido, podemos agregar outros tópicos para melhorar a dedicação dos funcionários, como “não faltar”. Estamos oferecendo para você, que leu até aqui este texto, uma apostila CÉLULAS DE PRODUÇÃO, PRODUTIVIDADE E PREMIO DE PRODUÇÃO que ensina a montar células de produção, a instituir e a acompanhar o controle de produtividade, e a criar um sistema de premio de produção. Mas este presente estará lá só até dia 29/09/2013.

quinta-feira, 28 de novembro de 2013

E O CORTE? VAI BEM, OBRIGADO.

Cada vez que visitamos uma fábrica e os diretores nos levam para conhecê-la, vão direto para a costura. Todos os problemas da empresa, na visão de muitos, está lá. A famosa, baixa produtividade das costureiras. E o corte? Pergunto. Sem problemas, nosso corte dá conta certinho, olha, aquelas caixas ali, é tudo coisa cortada esperando para entrar na costura ou ir para facção, mas todas estão abastecidas.
Continuamos nosso passeio pela costura e começo a indagar sobre situações que encontro. Em uma mesa, duas pessoas, uma com jeito de encarregada, e era a própria, ensinando uma outra funcionária a fazer par de alças com mesma largura, ou a refilar a que está mais larga. Porque isto? Pergunto. Veio cortado errado é a resposta. A justificativa do diretor: Este tecido é muito liso, escorrega e aí o cortador perde a referência…; adiante tem uma auxiliar refilando uma fita de viéz ou debrum. Foi cortado errado. No acabamento, mais gente refilando, desta vez sobras da barra em galoneira. Mesma resposta. Observo ainda outras resposta tipo: Modelagem errada, faltou um lado da pala, cortaram só para um lado e por aí vai.
Ao retornar, passamos novamente pela pilha de caixas que esperava para entrar na costura. Um funcionário do PPCP toma nota em um bloco de rascunho. O que ocorre? Pergunto a ele. Estou fazendo um levantamento de tudo que está aqui parado, porque uma parte falta zíper, a outros faltam bojo e alguns poucos, nada falta.
Se falta aviamento que impede a entrada na costura, porque cortou? Pergunto. Para adiantar o corte, é a resposta. O corte estava sem serviço e estes eram os únicos que tinham tecido em casa.
Como podem perceber, há vários tipos de problema e, poucos ou nenhum é da costura. Vários são do corte e outros ainda, nem do corte, são da modelagem e do PPCP.
Mas voltando ao corte. No exemplo descrito, a primeira impressão é que temos a quantidade de pessoas SUPERESTIMADAS no corte, pois tem muita coisa “adiantada”. Cheguei ao ponto de encontrar, em uma empresa que produzia 50.000 peças por mês, 95.000 peças adiantadas pelo corte, ou seja, quase dois meses de produção, cortadas sem condições de entrar na costura. Poucos percebem, mas isto é BAIXA PRODUTIVIDADE. Quanto dinheiro está investido ali em tecido, dois meses de produção, parados. Provavelmente é dinheiro que o setor financeiro está pegando em banco, pagando juros, para financiar uma produção parada.
E no corte em sí, tudo são maravilhas? Sabemos que não. Duas são as vertentes de treinamento: Maquina de corte e enfesto. Uma terceira situação, que algumas empresas não praticam, mas é de muita importância, é a separação.
Neste artigo, vamos abordar o enfesto.
Mesmo nas empresas que possuem sistema de risco computadorizado e até máquinas de enfestar, ou ainda, CAD CAN, há onde ganhar em materiais. O risco ideal, é aquele que tenha o maior comprimento possível e a maior altura possível. Tem sido difícil conciliar isto com os volumes de venda, então, deve prevalecer o maior comprimento possível, pois ganho com tecido sempre supera as perdas em MOD. Mas a dica aqui vai para o risco. Normalmente, o riscador deixa uma margem de 1cm, no início e mais 1cm no final do encaixe. Quando os enfestadores preparam a mesa, deixam mais uma margem, além daquela, de 1cm no início e no final, como garantia contra encolhimentos.
Mas se o leitor(a) que estiver na fábrica, interromper a leitura e der uma passada pelas mesas de enfesto, encontrará sobras que vão muito além do que está marcado na mesa e no risco. Vale a pena interromper o trabalho deles e pedir que coloquem o risco sobre o enfesto e avaliar com eles a sobra.
Nas empresas em que o enfesto é totalmente manual, o corte folha a folha é irregular e cada folha sobreposta é maior que a anterior. Não se surpreenda se encontrar na média mais de 2cm no início e final, além da marcação. Em um enfesto de 50 folhas, são 2 metros de tecido perdido. Se fizer 10 cortes por dia, são 20m/dia ou 440m/mês.
Mesmo nos enfestos em zig-zag, se não usar guia fixo nas cabeceiras, há uma tendência em ficar maior que o necessário. Nas máquinas enfestadeiras, há uma tendência dos operadores marcarem sobras de 3cm em cada extremidade, para garantir o corte em razão do encolhimento que PODE ocorrer. As máquinas modernas tem como prevenir e evitar este encolhimento.
Em todos os casos citados, só se conseguirá ganhos com um bom treinamento. Recomendamos também as máquinas de corte para fim de enfesto, elas se pagam em três meses.
Ainda na preparação da mesa para o enfesto, a dupla de enfestadores deve marcar pontos de emenda de enfesto. Quando encontrar grandes defeitos no tecido, aquela parte de tecido com defeito deve ser retirada. Se estivermos praticando um enfesto longo, não podemos perder a parte boa já estendida na mesa. Seccionamos então o tecido e, u, dos locais demarcados para emenda, e sobrepomos o reinício da parte boa, fazendo um transpasse, seguindo o enfesto normalmente. Se o defeito do tecido for pequeno, não devemos retirar, pois podemos ter a sorte dele cair numa parte de retalho e não em peça. Assim, basta marcar o local com uma fita de cor contrastante com a que está sendo enfestada e continuar o trabalho. Após o corte o cortador ou o separador verão a marca contraste na lombada do corte. Abrindo o enfesto ali, fará uma vistoria para ver se o defeito está presente em alguma parte da peça. Se estiver, basta repor aquela parte. Se o defeito não aparecer, provavelmente está no retalho.
Com a parte de material analisada e as prevenções tomadas, vamos avaliar também o desempenho da equipe do corte, na questão velocidade de operação.
A primeira consideração é sobre a “Dupla de Enfesto”. A harmonia entre os dois deve ser igual a de uma dupla de cantores sertanejo. Entre os cantores, uma dupla dissonante não tem futuro. O mesmo ocorre no corte. Aqui vale uma adaptação do provérbio: “quando um não quer, dois não trabalham”.  Trabalhei com uma empresa que levava isto tão a sério, que quando um enfestador pediu demissão, porque a família estava mudando de cidade, eles demitiram o parceiro. A resposta do gerente: é mais fácil treinar dois novos do que adaptar um novo ao velho ou vice versa.
Se formos as nossas salas de corte prestar atenção as nossas duplas de enfestadores, vamos encontrar um mais atento que o outro; um mais rápido que o outro; um mais dedicado que o outro; um com mais habilidade que o outro; um com mais “vontade” que o outro, e várias outras comparações. Quaisquer que sejam, sempre um está perdendo o tempo que o outro perdeu. É preciso ter no corte um gestor hábil, capaz de avaliar estas sutis diferenças e que consiga formar duplas equilibradas, harmoniosas entre si.

quinta-feira, 14 de novembro de 2013

Cuecas: você sabe tudo sobre elas?

Objeto indispensável no vestuário masculino, as cuecas podem ser escolhidas entre vários tipos e modelos, mas isso só passou a acontecer a partir do século XIX, quando com a revolução industrial surgiram-se máquinas de fiação, de tecelagem e a máquina de costura que ajudaram a produzir modelos feitos com flanela e algodão.
Durante a Pré-História, a roupa íntima resumia-se a um pedaço de pele de animal amarrado em volta do quadril. No Antigo Egito, era usado um longo pedaço de linho moldado como triângulo com tiras nas pontas, modelo que foi utilizado até a Idade Média.
Nos dias atuais, alguns dos tipos de materiais usados na produção das cuecas são algodão com elastano, algodão pima, modal, lyocel, microfibra de poliamida, algodão egípcio e fibra bambu. As cores branca, preta, cinza e azul, são as consideradas cores clássicas.
Os modelos mais populares no Brasil são:
Cuecas Slip  O nome cueca slip talvez seja o menos conhecido,porém é o mais popular e o mais utilizado. A cueca slip é uma cueca mais cavada e tradicional.
Boxer  Apelidada por cueca Box, a cueca Boxer tem origem inspirada nos praticantes de Boxe, já que os boxeadores costumam utilizar modelos parecidos com ela, o que ajuda a evitar o atrito entre as pernas. É o modelo preferido entre as mulheres; elas adoram vê-los com essa cueca.
Cueca Sunga  Possui um formato parecido com o de uma sunga de praia, por isso recebe esse nome. A cueca sunga é parecida com o modelo boxer, porém tem comprimento menor.
Samba canção  Bem popular entre os homens, a cueca samba canção é uma cueca que traz muito conforto. É o modelo mais utilizado na hora de dormir ou para ficar em casa e relaxar. O que proporciona todo este conforto é que as cuecas samba canção são fabricadas com tecidos leves e que não ficam coladas ao corpo, dando mais liberdade para os homens.
As empresas têm ousado no quesito peça íntima masculino e têm dado mais cores a elas. Além disso, elas também estão investindo em estampas e acabamentos tecnológicos.
Na hora da compra, deve-se levar em consideração qual modelo se adequa melhor ao seu corpo. Caso a compra seja um presente, o ideal são os mais clássicos de algodão.
E quem disse que mulher não pode usar cuecas? No mercado já existem modelos de cuecas femininas. Por serem mais confortáveis, muitas mulheres optam por elas na hora de dormir. Sendo homem ou mulher, o que vale é se sentir bem. Saiba usar a cueca tanto para te agradar, quanto para agradar a sua parceira ou parceiro.

quarta-feira, 6 de novembro de 2013

50 lavagens para o mesmo shorts

GB Lavanderia lança o segundo catálogo dedicado ao modelo mostrando como os efeitos mudam tudo, em evento que segue até sexta-feira, 8.

Ao criar a segunda edição do Mundo dos Shorts, lançada em evento que termina na sexta-feira, 8, em São Paulo (SP), o Grupo GB Customização mudou a abordagem para falar do que considera a quarta onda do jeans. Em palestra no showroom instalado no Brás, aberta aos clientes do pólo, mostra o mesmo modelo de shorts denim em 50 versões diferentes, que variam conforme os processos e efeitos a que são submetidas.


Dessa forma, enfatiza a capacidade de transformação do tecido e o domínio técnico da empresa que, atualmente, conta com quatro lavanderias – duas no Espírito Santo e duas em Minas Gerais. Do ponto de vista da moda, o grupo divide os efeitos e processos em três vertentes: holográfica; vintage; e vintage color. Sob essa concepção, usou o mesmo modelo de short, feito com um só tecido, e variou as lavagens.

Empresa Brasileira Cria Moda Adaptada para Pessoas com Restrição Física

A Adaptwear chega ao mercado na próxima semana via web com modelos orientados para pessoas com algum tipo de restrição física, de braço quebrado a ausência de movimentos.

Em uma viagem aos Estados Unidos, Ana Cristina Ekerman conheceu o esforço de uma prima para fazer roupa para o filho com problemas de coordenação motora. De volta ao Brasil, viu oportunidade em criar roupas para pessoas com algum tipo de restrição física. Sem experiência em moda, deixou o emprego em uma multinacional e com investimento de R$ 100 mil abriu a Adaptwear que chega ao mercado na próxima semana com uma loja virtual, onde serão vendidas peças para mulheres e homens.

A intenção é unir elementos de moda da estação com funcionalidade. Produzir os modelos não foi simples, assegura a empresa. “Foi muito difícil encontrar oficinas de costura que quisessem trabalhar com essas peças, pelo nível de detalhes e aviamentos, como uso de zíperes e velcro”, explicou ao GBLjeans. São detalhes não apenas práticos, mas, estéticos, e que acabam encarecendo a produção, como colocar viés de acabamento nas camisas e vistas protetoras dos zíperes das calças ou mesmo uso de zíper de metal, para dar durabilidade.

Entre os modelos femininos, a Adaptwear aponta a saia-short com cinta de compressão interna, indicada para combater a flacidez na região abdominal, comum em pessoas paraplégicas ou tetraplégicas. É feita de sarja elastizada para proporcionar conforto a quem veste. As regatas contam com fechamento em velcro nas alças e zíper nas laterais, facilitando o uso para mulheres, por exemplo, sem os movimentos dos braços. Para os homens, a coleção tem bermudas, mais curtas ou compridas, sempre com fechamento frontal por zíper adaptado, “que permite o encaixe dos dedos para facilitar o manuseio na hora de vestir”, explica a marca. É feita com tecido supplex elastizado.

Segundo a empresa, a oferta da coleção incluirá modelos para diferentes ocasiões, do ambiente de trabalho a um evento requintado. Para Ana Cristina, o mercado é vasto e inclui pessoas com restrições físicas permanentes, que usam cadeira de rodas para se locomover, a pacientes com mal de Parkinson ou reumatismo severos, entre outras doenças que afetam a mobilidade e a coordenação motora.

Ela avalia que possa faturar R$ 500 mil no primeiro ano de atividade da marca. Entre os planos, a vontade de abrir lojas físicas e negociar parceria com grandes magazines para a criação de coleções especiais, “como aquelas em co-criação com estilistas renomados”, diz Ana Cristina.

segunda-feira, 14 de outubro de 2013

Consultoria on line via Skype Medicamentos eficaz Fabril

É muito comum as corporações estarem doentes em seus processos fabris.Comumente nas áreas de Planejamento e Produção.Na verdade os problemas são os mesmos.Ou muito parecidos.Por isso tem o medicamento e dosagem correta para estes problemas industriais que continuam a se perpetuar.

quinta-feira, 3 de outubro de 2013

Dicas de Moda Evangélica para Festas

Independente da doutrina religiosa que você siga, fato é que a mulher evangélica deve sempre apresentar-se ao público com um visual mais recatado, que não revele sensualmente o contorno de seu corpo nem exponha pele demais. E seguindo estes princípios a moda evangélica para festas traz vestidos bonitos sim, porém bem comportados e recatados. E durante o inverno a vida das mulheres evangélicas é facilitada ainda mais, já que boleros e casaquetos sofisticados são confeccionados à profusão para atender a moda no geral.
A moda evangélica para festas traz peças que são ao mesmo tempo condizentes com a doutrina religiosa e muito bonitas (Foto: Divulgação)
A moda evangélica para festas traz peças que são ao mesmo tempo condizentes com a doutrina religiosa e muito bonitas (Foto: Divulgação)

Dicas de Moda Evangélica para Festas

Saias e vestidos (com comprimentos que vão desde a altura dos joelhos até os modelos longos) são uma constante na vida das mulheres evangélicas, seguindo os preceitos religiosos que seguem que pregam que a mulher deve ser feminina ao máximo e não se insinuar com seu corpo. E como as roupas de festa, principalmente para as festas mais sofisticadas, também seguem estes modelos para as mulheres em geral, as evangélicas não encontram tanta dificuldade em escolher o modelo com comprimento ideal.
(Foto: Divulgação)
(Foto: Divulgação)
Porém o que é mais fácil em um quesito pode tornar-se mais difícil em outro, como no tamanho e modelo do decote. Como mulheres evangélicas são aconselhadas a não expor o corpo, cobrir o colo e ombros também é uma constante, e neste momento pode ficar um pouco mais difícil encontrar um vestido de festa que seja condizente com a sua doutrina religiosa, pois normalmente estes vestidos, principalmente durante o verão, chegam sem mangas e muitas vezes com decotes generosos. E para resolver este problema, a mulher evangélica pode adquirir o vestido sem mangas e recorrer aos boleros ou casaquetos, que escondem a parte do corpo que deve ser escondido e mantêm o visual em ordem.
(Foto: Divulgação)
(Foto: Divulgação)
E no quesito cores as mulheres evangélicas podem usar a que quiser, porém como em algumas doutrinas religiosas as cores mais intensas e chamativas não são indicadas, vale apostar nos vestidos ou conjuntos de saia blusa com cores como o nude, branco, preto, azul-marinho, marrom e bege.
(Foto: Divulgação)
(Foto: Divulgação)
(Foto: Divulgação)
(Foto: Divulgação)
(Foto: Divulgação)
(Foto: Divulgação)
(Foto: Divulgação)
(Foto: Divulgação)
(Foto: Divulgação)
(Foto: Divulgação)
(Foto: Divulgação)
(Foto: Divulgação)
(Foto: Divulgação)
(Foto: Divulgação)
(Foto: Divulgação)
(Foto: Divulgação)

A Pelé o que é de Pelé: finalmente, um museu só para ele — o maior jogador de futebol da história. E confira aqui todos os números OFICIAIS de sua carreira

A PELÉ O QUE É DE PELÉ
Levemente incomodado com a profusão de candidatos a rei que vagam por aí, ele mesmo encomendou um levantamento estatístico – o definitivo – em torno de seus títulos e gols. Será difícil mesmo alcançá-lo
“Até o Edson, que conhece o Pelé desde criança, ficou impressionado com os números.” A indefectível, já clássica e folclórica terceira pessoa do singular é usada pelo Rei do futebol para justificar o espanto com um levantamento estatístico encomendado por ele mesmo para acabar com a dúvida seminal (quem é o maior jogador da história?) – como se fosse necessário dirimi-la.
Pelé pediu a Rogério Lopes Zilli, o estudioso que o ajuda na montagem do acervo de um museu que abrigará sua coleção de peças pessoais, em Santos (SP), que enumerasse todos os títulos e gols de sua carreira.
É, a partir de agora, a contagem oficial, reunida a partir de súmulas, filmes, entrevistas e recortes de jornal. É Pelé por Pelé, em um levantamento entregue com exclusividade a VEJA.
São 61 títulos oficiais, aí incluídos o tri pela seleção e o bi mundial pelo Santos, além de 25 outros troféus em torneios no Brasil e no exterior.
São 1.282 gols – “nem 1 281, nem 1 283, como costuma aparecer”, ressalta – em 1.366 partidas oficiais. A média é de 0,93 gol por jogo. Para efeitos de comparação, Messi tinha até a semana passada 267 gols em 398 partidas (média de 0,67). Neymar, prestes a chegar ao centésimo gol santista, marcou 117 vezes em 204 jogos, contando os da seleção (média de 0,57). Maradona fez 311 gols em 587 partidas (média de 0,53).

pele-trofeu
O ATLETA DO SÉCULO – ”O pessoal brinca porque pelo menos podiam ter posto uma roupinha na taça. Olha, não foi fácil levantá-la, não. Tem 23 quilos e quase 1 metro de altura. Quem me deu foi o jornal francês ‘L’Équipe’, que fez uma votação com gente do mundo inteiro. Fiquei na frente do Jesse Owens, do Paavo Nurmi e do Emil Zátopek – grandes atletas olímpicos -. Não é legal porque foi o Pelé, não. Ali era um brasileiro.” (Pelé teve 178 votos. Owens, 169. Entre os futebolistas, o segundo foi Di Stéfano, com apenas 12 votos.)”
Diz Edson: “Pedi essa investigação, a primeira que realmente fiz, e a mais completa, para ver se param com essa história de sempre dizerem que nasceu um novo Pelé. O Maradona, o Messi e agora o Neymar são todos grandes jogadores, mas o que o Pelé fez não foi qualquer coisa”.
É curioso que ele próprio se preocupe em reunir números para demonstrar seu tamanho histórico. Na boca de qualquer outro atleta soaria arrogante – vindo dele é quase ingênuo, serve apenas para alimentar ainda mais a fogueira de discussões em torno da mais importante das coisas sem importância, o futebol.
Essa estatística, segundo Pelé, é a cereja a colorir o bolo do museu com 2.300 peças que será inaugurado em Santos, no fim do ano, no Casarão do Valongo, construção do século XIX, no centro da cidade, tombado pelo patrimônio histórico. A reforma custou 23 milhões de reais. A instalação da mostra exigirá outros 8,5 milhões.
“Não há, em todo o mundo, nenhum museu dedicado a um único esportista”, diz José Eduardo Moura, diretor do projeto. Serão fotos, camisas, bolas, taças e tudo quanto é tipo de lembrança, com destaque para a inseparável caixa de engraxate que Pelé diz ter usado quando tinha 15 anos, entregue de presente pela mãe – junto com os primeiros 400 réis amealhados ao lustrar sapatos alheios – quando o menino, já campeão do mundo, morava em Santos, chegado de Bauru.
Falta algo? “Sim”, diz Pelé. A devida homenagem ao pai, já falecido, por um recorde que o camisa 10 lamenta nunca ter conseguido bater. “O Dondinho fez cinco gols de cabeça em um único jogo, nos anos 40. O Pelé não passou de dois.” É marca que tira o sono de Edson – mas que não encolhe a súmula oficial de sua espetacular carreira, agora definitivamente compilada para quem quiser cotejá-la com a de outros que andam ganhando títulos e marcando muitos gols, sonhando um dia ser Pelé.

pelé taça
A RÉPLICA DA JULES RIMET – ”Essa ninguém tem, porque a da CBF foi roubada e derretida. A deles era de ouro bruto, a minha é só folheada. Mas o peso é o mesmo. Ganhei da FIFA e do governo mexicano logo depois da vitória contra a Itália, no tri. Nenhum outro jogador recebeu, não. Só o Pelé. Foi uma homenagem e tanto.”
Pelé escolheu dois troféus de predileção na coleção de 2.300 itens que serão expostos em Santos a partir do fim do ano. Ele próprio explica a importância dos objetos – às vezes na primeira pessoa, muitas vezes na inseparável terceira pessoa, nas fotos acima.
A SÚMULA DEFINITIVA DO REI
TÍTULOS – 61 AO TODO
Títulos pelo Santos

-
pelé títulos seleção


TODOS OS GOLS DO MAIOR ARTILHEIRO DA HISTÓRIA
gols DE PELÉ

sexta-feira, 27 de setembro de 2013

As 5 marcas de moda nacionais mais atuantes no Instagram

As marcas mais badaladas do Insagram

Ter 130 milhões de usuários ativos por mês e mais de 16 bilhões de imagens armazenadas em 3 anos é para poucos, ou melhor, só para o Instagram.
A rede social mais utilizada no mundo para compartilhar imagens resignificou o uso das câmeras no celular e acreditou na tendência do mobile.
Só no Brasil, são mais de 27 milhões de usuários de smartphones, mais do que na França e na Alemanha. E como as marcas nacionais tem aproveitado isso?
O mercado da moda é destaque. Suas cores, imagens e formas tem conquistado cada vez mais seguidores, afinal, a plataforma é a melhor maneira de mostrar os detalhes dos produtos, do backstage e trabalhar com desejos e sonhos.
Selecionamos as 5 contas mais badaladas no Instagram de marcas 100% nacionais para vocês:

Instagram

Schutz

TOP 1– Schutz | 368,553 seguidores - Schutzoficial
Compartilha o dia a dia de glamour da marca, das passarelas à badalada loja em Nova York, com fotos super inspiradoras dos sapatos, muitas vezes sendo usados, é claro.

Schutz

Melissa Oficial

TOP 2- Melissa Oficial | 144.960 seguidores - Mellissaoficial
A #melissadodia faz sucesso entre as amantes da marca, mas não é só dos sapatinhos que a marca fala. Compartilha fotos de locais coloridos, momentos felizes da equipe, teasers de novas coleções e das super estrelas que usam Melissa pelo mundo.

Melissa Oficial

Lojas Renner

TOP 3 - Lojas Renner – 111.356 seguidores - lojasrenner
Dúvidas do que vestir? O perfil das lojas Renner resolve. A marca compartilha combinações de looks, acessórios, dicas de produtos de beleza e posters com frases para inspirar suas seguidoras.

Lojas Renner

Colcci

TOP 4 | Colcci – 104.059 seguidores - colccioficial
Coleções, zoom de estampas e detalhes, famosos que usam Colcci e até as promoções são divulgadas no perfil da marca.

Colcci

TOP 5 | Farm - AdoroFarm – 97.478 seguidores - adorofarm
Além do dia a dia da marca, eles publicam paisagens brasileiras de tirar o fôlego, detalhes coloridos, posters personalizados com frases do dia e pinceladas de moda e estampas. A marca criou até a hashtag personalizada #adorofarm usada para quem quer interagir com a marca.
Se o uso de imagens tem caído no gosto das pessoas, esse é um bom momento para pensar em como a sua marca pode se relacionar com os seus públicos nessa rede, agir de forma transparente já é mandatório e o Instagram pode ser um bom canal para aproximar a realidade da marca ao cliente final.
Farm

quinta-feira, 19 de setembro de 2013

Novas formatações no Blog Confecão e Moda:De a sua valiosa opinião



Amigos que me acompanham por este blog quero dividir com todos os visitantes e outros tantos que este blog passará por grandes transformações. Pois de imediato passarei para um plataforma com domínio e hospedagem que anunciarei em breve.Pois adotará ferramentas mais profissionais como auto responder,e-mail marketing,anunciantes,canal direto com o blogueiro,info produtos(e-books e vídeos)

Procurarei dividir a minha experiência profissional como gestor de confecções de roupa na área industrial envolvendo a entrada da matéria-prima,passando pelo PCP Planejamento Estratégico,Avaliação de fornecedores Custos Corte,Costura(interna e externa),Acabamento.Procurarei disponibilizar alguns artigos e e-books sobre o segmento. Abordarei com a minha expertise:Cronoánalise (avaliação do produto,sequência operacional,tempo operacional,métodos de trabalho,máquinas e pessoas,PPCP,Custos e outros tantos artigos.Falarei também sobre o mundo da moda.E mais para frente montarei um curso que será de enorme valia para todos. Com valores justos de uma forma que seja acessível para os amantes deste seguimento.Planejamento estratégico,avaliação de desempenho e muito mais.Administração da produção,nichos de mercado.

Mais confesso que este blog não foi elaborado para uso próprio,mas em especial mais para todos que comungam,trabalham e apreciam este seguimento tão misterioso e apaixonante.Por isso peço a opinião de vcs,Pois terá o antes e depois.Amigos é para vcs que estou fazendo isso.Quero profundamente que deem as suas opiniões aqui no próprio blog ou mandando-me um correio eletrônico:luizrsaraiva@gmail.com

Quero aqui registrar o meu agradecimento as mais de 106.000 visitas.
Aguardo os Srs.

Fiquem todos em paz,Luiz Roberto Saraiva

quinta-feira, 29 de agosto de 2013

Venda de vestidos preço IMPERDÍVEL

 A AQUARIUS BRAZIL -  VENDE


LINDOS VESTIDOS, CONFORTO E QUALIDADE
composição 96%viscose e 04%elastano

MODELOS E PREÇO

Vestido Poá V1075 - R$99,99 - Preço à varejo
Vestido Poá V1075 - R$59,99 - Preço atacado

Vestido V0930 - R$99,99 - Preço à varejo
Vestido V0930 - R$59,99 - Preço atacado

Telones para contato: (0xx5521)2489-4343/7457-3739  - Irani ou Waldelice

e-mail:souzafixo@ig.com.br

terça-feira, 27 de agosto de 2013

Eleições 2014: Por que Bernardinho canditado ao governo do Rio pode ser uma grande novidade - e um sucesso

Bernardinho: com trajetória profissional espetacular, currículo rico e variado e vida limpa, poderá ser um páreo duro na disputa pelo governo do Rio de Janeiro em 2014 (Foto: Fédération International de Volleyball)
Ou muito me engano, ou uma eventual candidatura de Bernardinho ao governo do Rio de Janeiro, agora que ele está filiado ao PSDB, por costura do presidenciável Aécio Neves, pode ser a grande novidade das eleições estaduais de 2014.
Embora tenha sido um jogador apenas bom, e não ótimo, como treinador de vôlei Bernardo Rocha Rezende, 54 anos, é simplesmente o maior campeão da história do esporte, com mais de trinta títulos importantes à frente das seleções brasileiras feminina e masculina — entre os quais cinco medalhas olímpicas, sendo a principal o inesquecível ouro dos Jogos de Atenas, em 204, e nada menos do que 15 títulos mundiais em competições de diferentes denominações.
É um vencedor nato, um líder, um ídolo nacional. Onde coloca a mão, dá certo.
O que é que se pode dizer CONTRA Bernardinho?
Que é “apenas” um treinador de vôlei?
Bem, pode-se argumentar que gente com muito menos experiência em cargos públicos chegou MUITO mais longe.
Não preciso dar exemplos, não é mesmo?
Agora vejam só outros traços do treinador:
* Bernardinho é economista formado pela PUC do Rio.
* É um palestrante de motivação muito requisitado em todo o país.
* É autor de dois livros de autoajuda que se tornaram best-seller — Transformando Suor em Ouro(Editora Sextante, 2006) e Bernardinho – Cartas a um jovem atleta – Determinação e Talento: O caminho da Vitória (Editora Campus, 2007).
* É empresário bem sucedido, participando como sócio, entre outras empresas, em uma rede de restaurantes, em uma empresa de ensino profissionalizante online e em uma cadeia de academias de ginástica.
* Como outros esportistas de sucesso, também mantém uma ONG, o Instituto Compartilhar, que tem entre outros objetivos o de “atuar em programas e projetos esportivos e educacionais destinados prioritariamente às camadas menos favorecidas da população”.
* E, sobretudo, é algo novo em política. Nunca foi candidato a nada, nunca exerceu mandatos. Tem passado e presente limpos.
As pessoas se dizem cheias dos políticos tradicionais, não é mesmo?
Além do mais, o quadro eleitoral no Rio pode favorecer uma candidatura “límpida” como a de Bernardinho.
O candidato do PMDB, Luiz Fernando de Souza, o “Pezão”, carrega o fardo imenso de ser o vice do hoje impopularíssimo governador Sérgio Cabral.
O PT vai rachar a aliança com o PMDB e está com o senador Lindebergh Farias — mas, além de o PT nunca ter ganho nada sozinho em eleições para governador e prefeito do Rio, Lindbergh sofreu acusações (inclusive pelo Ministério Público) durante sua gestão como prefeito de Nova Iguaçu (2005-2010) que certamente virão à tona em seu prejuízo durante a campanha.
Se, como se imagina, o eleitorado busca algo novo, são mínimas as chances de Anthony Garotinho (PR), hoje deputado, que quer voltar ao governo depois de uma gestão controvertida e de outra, desastrosa, de sua mulher, Rosinha.
O senador Marcelo Crivella (PRB), “bispo” da Igreja Universal e atual ministro da Pesca, carece de estrutura partidária e de alianças para ambicionar o Palácio Guanabara.
O mesmo se pode dizer do deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL), possível candidato da extrema esquerda.
Quanto a Bernardinho  embora não haja militado em política, sempre opinou com contundência sobre os absurdos do Brasil. “Por que deixar um país, se ainda tenho esperanças que algumas coisas podem ser feitas?”, perguntou ao jornalista Juca Kfouri em uma mesma entrevista concedida ao canal de TV ESPN em 2007. Curiosamente, o jornalista afirmaria no programa que “claro que a gente às vezes pensa em Bernardinho como presidente do Brasil”.
Ao que o entrevistado respondeu taxativo:
– Não tenho nenhuma pretensão de fazer mais do que já faço.
Na mesma entrevista, também, Bernardinho fez uma declaração que hoje faz todo sentido:
– Não me sinto mal buscando uma coisa nova, um desafio.